Paróquia

Nossa Senhora das Graças Araraquara - SP

End: Av. La Salle s/n° - Vila Ferroviária - Araraquara, SP
Tel: 16 3336 7520 - par.nossasenhoradasgracas@gmail.com

Horários: Missas de Segunda a Sexta-feira às 19h; Sábados às 18h30min Domingos às 08h, às 10h e às 19h15min

Bom Dia, irmãos e irmãs, vamos refletir hoje sobre o Documento de Santo Domingo.

Artigo escrito por D. D. Angélico Sândalo Bernardino, com o seguinte título: Um pouco de história e coração na caminhada.

A IV Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe foi convocada pelo papa João Paulo II para animar a Igreja toda no vibrante, novo, testemunho de Jesus Cristo ontem, hoje e sempre!

Já no dia 12 de dezembro de 1990, o Santo Padre determinava o tema definitivo da IV Conferência: “Nova Evangelização, promoção humana, cultura cristã”; com o tema evangelizador: “Jesus Cristo ontem, hoje e sempre” (Hb 13,8).

“Esta Conferência Geral, disse o papa em seu discurso inaugural, reúne-se para preparar as linhas mestras de uma ação evangelizadora que ponha Cristo no coração e nos lábios de todos os latino-americanos. Esta é a nossa tarefa: fazer com que a verdade sobre Cristo e a verdade fundamental sobre o homem penetrem ainda mais profundamente em todos os segmentos da sociedade e a transformem”.

Realizada em Santo Domingo, de 12 a 28 de outubro de 1992, no vigor do Espírito Santo e materna presença da Senhora de Guadalupe, a IV Conferência nos apresenta numerosos passos em sua preparação. Assim, a partir de 1983, na 19ª Assembleia do CELAM, efetuada no Haiti, surgiu a necessidade da IV Conferência com “o fim de avaliar os 10 primeiros anos de Puebla e os 20 primeiros anos de Medellín, com os olhos voltados aos desafios novos que a realidade latino-americana estava colocando à evangelização”. Em maio de 1987, o presidente do CELAM consultou verbalmente o papa sobre a ideia da realização da IV Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribe, tendo recebido do Santo Padre a aprovação e suas primeiras sugestões. Iniciam-se, então, as etapas de preparação. Essas etapas que contaram com todo o esforço do CELAM, por fatores os mais diversos e adversos, sofreram forte descontinuidade. Cada documento, fruto de consultas, elaborações, praticamente desconhecia ou anulava o anterior. A história dos textos preparatórios à IV Conferência é longa, podendo desta forma ser resumida: Em 1988 aparece a publicação Instrumento de compilação e contribuições; em 1989, A primeira aproximação à realidade do continente latino-americano. Esses dois trabalhos não foram colocados à disposição do grande público.

Em 1990, o CELAM publicou o texto Elementos para uma reflexão pastoral em preparação à IV Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, como tema: “Uma nova evangelização em uma nova cultura”. Este trabalho sofreu severas críticas da parte de episcopados, teólogos e pastoralistas. Em 1991, o CELAM fez nova publicação, adaptando conteúdos anteriores ao tema definido pelo papa em dezembro de 1990. Trata-se do Documento de consulta com o título Nova evangelização, promoção humana, cultura cristã e que foi entregue às Conferências Episcopais, em Buenos Aires, em abril de 1991, durante a XXIII Assembleia Ordinária do CELAM. Este documento sofreu também muitas e severas críticas. Fato importante, naquele momento (abril de 91), foi a eleição da nova presidência do CELAM, com D. Raimundo Damasceno Assis, como secretário geral. Este, notando que as colaborações vindas de bispos, conferências episcopais e teólogos não estavam sendo devidamente acolhidas, reuniu equipe de teólogos que elaborou dois importantes textos: Prima e Secunda Relatio, enviados apenas aos secretários gerais das conferências episcopais. Da Secunda Relatio (recolhia o que as conferências episcopais tinham proposto, revelando excelente grau de reflexão e de engajamento das diferentes Igrejas particulares) foi elaborado o “Documento de trabalho” que, aprovado por Roma, se tornou o texto oficial de preparação para a IV Conferência. Infelizmente, este “Documento de trabalho”: Nova evangelização, promoção humana e cultura cristã, demorou muito para chegar aos bispos que iriam participar de Santo Domingo. Em alguns países, somente chegou poucos dias antes de 12 de outubro. Ainda assim, foi logo abandonado porque a coordenação dos trabalhos da IV Conferência colocou aos participantes dos trinta grupos temáticos que se formaram, quatro “ponências” (palestras) como ponto de referência a suas atividades.

A CNBB se deteve, de maneira particular, na preparação de Santo Domingo na 30ª Assembleia Geral em 1992. O conselho permanente reuniu-se em agosto de 92, em Brasília, com os bispos delegados e demais participantes de Santo Domingo para aprofundamento das contribuições à IV Conferência. A posição dos bispos do Brasil está publicada no nº 48 da série azul da CNBB, sob o título: Das diretrizes a Santo Domingo.

Deixando de lado o “Documento de trabalho”, os bispos receberam a bênção do discurso inaugural do papa, as quatro “ponências” e se distribuíram em trinta grupos, segundo os diversos temas. Atiraram-se, nos 17 dias da Conferência, à elaboração do texto que — sobretudo pelo fator tempo e dinâmicas adotadas —, possui certas lacunas. Marcante é, por exemplo, a falta da elaboração histórica dos pontos positivos e negativos dos 500 anos de evangelização. O texto apresentado não recebeu a necessária aprovação do plenário, tendo ficado a parte histórica unicamente com cinco números no texto oficial final: “Nos 500 anos da primeira evangelização” (SD 16 a 21).

Paz e Bem!

Diác. Ulisses

Boa Leitura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *